Evolução Empresarial Contabilidade


Crédito habitacional: Caixa reduz juros na modalidade poupança

  • 17/09/2021



     

    Crédito habitacional: Caixa reduz juros na modalidade poupança

    Uma nova redução na taxa de juros do crédito imobiliário foi anunciada pela Caixa Econômica Federal nesta quinta-feira (16) em um evento para o setor da construção civil, em Brasília.

    Segundo o anúncio do banco, a redução será em uma modalidade específica de financiamento habitacional, o crédito Poupança Caixa.

    Atualmente, a Caixa oferece quatro modalidades de financiamento de casa própria:

    • crédito com taxa fixa de juros;
    • crédito com correção pela Taxa Referencial (TR);
    • financiamento corrigido pela inflação (IPCA);
    • crédito Poupança Caixa, em que a taxa de juros tem uma parte fixa, definida pelo banco, e outra variável, que corresponde à remuneração da poupança.

    É justamente na taxa fixa cobrada pelo banco que houve redução de 3,35% ao ano (a.a.) para 2,95% a.a. Com isso, o crédito Poupança Caixa passa a ser 2,95% a.a + rendimento da poupança. Variável, o rendimento da poupança corresponde a 70% da Taxa Selic, a taxa básica de juros, atualmente em 5,25%. 

    Na prática, o crédito nessa modalidade terá correção de 6,62% a.a., se considerarmos o valor da Selic vigente no momento. 

    De acordo com a Caixa, será possível realizar as simulações com as novas condições da linha de crédito a partir de 4 de outubro, tanto pelo aplicativo Habitação Caixa quanto diretamente no site do banco. As contratações começam no dia 18 do mesmo mês. 

    Atualmente, a carteira de crédito habitacional da Caixa soma um volume de R$ 534,6 bilhões, com 5,8 milhões de contratos, o que representa 67,3% de todo o financiamento imobiliário concedido no país.

    Conselho do FGTS aumenta limite de financiamento

    Também nesta semana, o Conselho Curador do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (CC-FGTS) aprovou o aumento do limite de financiamento para imóveis do programa Casa Verde e Amarela. 

    Diante disso, o teto volta a ser diferente nos municípios com menos de 100 mil habitantes, como vigorava até novembro de 2018.

    A proposta aprovada estabelece que o aumento será de 10% para municípios com população entre 20 mil e 50 mil habitantes, capitais e regiões metropolitanas. Para cidades com população entre 50 mil e 100 mil habitantes, o aumento será de 15%. Demais municípios, incluindo as capitais e respectivas regiões metropolitanas, com mais de 100 mil habitantes terão aumento de 10%.

    Também haverá novo desconto sobre o valor das prestações. Houve aumento de 0,25% para renda de até R$ 2.000. Com isso, o desconto concedido a mutuários enquadrados na faixa 2 se iguala aos da faixa 1,5, que será extinta.

     

    Fonte: com informações da Agência Brasil


Notícias Contábeis

Veja todas as notícias on-line
Subir ao topo